Ações Urbanas

Entrevista com ROD-VEPEA

"Minha idade hoje é de duas décadas, meu nome de registro é Rodrigo, ainda moro no Jabaquara e assino ROD-VEPEA", assim se apresenta o escritor de grafite Rod-Vepea, nascido na região central de São Paulo (Largo do Arouche), hoje mora no bairro de Jabaquara, zona sul da cidade.
Aos doze anos começou a fazer seus primeiros rabiscos relacionados ao grafite influenciado por revistas gringas e pela infância próxima de um ambiente urbano e degradado da cidade.
Rod que desenvolveu preferência por pintar em "em locais fechados, escondidos e até inóspitos", segundo o próprio grafiteiro, concede entrevista ao "Ações Urbanas"
 

     

Fotos:Arquivo 2004/2003/2005 por Monica Ramos e ROD-VEPEA

 Ações Urbanas: Você acha que o graffiti é considerado como arte pela maioria da população? Ou só por uma "minoria" que se dizem de algum "movimento/cultura?".

ROD-VEPEA: A resposta é, a minoria da minoria.A maioria é todos leigos, alienados, ignorantes e estúpidos.Essa tal "minoria que se dizem de algum movimento/cultura" é totalmente preconceituosa e discriminadora, simplesmente pelo fato de que o grafite é pinta do por tintas aerosol (spray)...E no conceito deles, spray é inaceitável, é coisa de pichador, de vândalo e poraí vai.

Ações Urbanas: Como fica essa questão de "panela", dentro do graffiti no seu ponto de vista?

ROD-VEPEA: O artista em sua grande maioria, principalmente no ramo da pintura, é muito individualista.A tão famosa "panela" nada mais é do que um grupo de amigos que freqüentemente se encontram e realizam seus trabalhos juntos, e que tem uma convivência boa no sentido de trabalhar juntos (mesmo que o resultado da produção seja uma seqüência de trabalhos individuais).Fica difícil trabalhar junto com pessoas que você não conhece.Vai de cada um trabalhar do jeito que acha melhor.

Ações Urbanas: Você acha que o graffiti é menos machista que os outros elementos do hip hop?

ROD-VEPEA: Machismo existe em todo lugar, o que não podemos é generalizar.Tem muita mulher que contribui com o machismo, não podemos crucificar todos os homens e culpa-los por isso.

Ações Urbanas: Quais suas influências?

ROD-VEPEA: Bando (CTK), Bates, Ces (FX), Chor (DEP), Jaye (W-73), Manyak (W-73), Nosm (TATS CRU), Reso (SP), Seb (FMK)...E muitos outros.

Ações Urbanas: Alguns escritores de graffiti tem exposto seus trabalhos em galerias de artes, saindo das ruas, existe algum conflito, já que a arte ( do grafiiti) nasceu na rua, isso é discutido entre vocês? Existe uma busca pela essência?

ROD-VEPEA : Quanto a ir pra galeria, não vejo problemas, vejo problemas quando sai das ruas (no sentido de parar de pintar na rua).Essência existe e anda freqüentemente junto aos originais.O graffiti nasceu nas ruas, não existe escola onde se pode aprender graffiti e ganhar um diploma.Mesmo assim, esse segmento de arte chegar a ser exposto numa galeria, acho isso fantástico.

Ações Urbanas: A pichação e graffiti são considerados crimes no Brasil. Ambos se enquadram na categoria de danos patrimoniais, sujeitos a pena entre três meses e um ano, mais multa. Como discernir o que é arte o que é vandalismo?

ROD-VEPEA: Arte é toda obra que toca no seu sentimento e te faz refletir sobre algum determinado aspecto; provocar inquietação ou manifestar inspiração, etc. Vandalismo no meu ponto de vista, é tudo que incomoda de maneira pejorativa e faz com que o indivíduo se sinta agredido ou ofendido.O excesso de propaganda, os out doors, por exemplo, são um ato de vandalismo.A mídia toda faz apologia ao consumismo desenfreado, degrada o meio ambiente, dita normas de felicidade, e a população totalmente passiva e alienada, aceita toda essa porcaria sem nenhum pingo de contestação.A pior parte é que depois de tudo isso, a população usa o graffiti e a pichação como bode expiatório pra jogar a culpa nas autoridades e fazer ameaças aos escritores urbanos.A população medíocre faz isso como se não tivesse nenhuma contribuição e culpa por toda situação de caos que a cidade se encontra.

 



Escrito por ... uRB@n@s.... em às 06h43 PM
[
]

 

 Entrevista com ROD-VEPEA



 02/12/2007 a 08/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 06/08/2006 a 12/08/2006
 Todas



 Arcanjoras
 Bocadaforte
 Café com Bolachas
 Delicatessen
 Entre Instrumentos e Sequenciadores
 Karol de Souza
 Hiphopdefato
 Lume que Vaga
 Palavra e Barulho
 Projeto Grafite com Pipoca
 Toca Disco Público
 Dj Zinco
 Cromossoma
 Clube de Jazz
 4 GAMES 2.0
 Pedro Alexandre Sanches




Para enviar material ou entrar em contato: acoesurbanas@gmail.com